Febre por insolação criativa

E está chegando o momento de “Febre do Rato”, de Cláudio Assis, chegar aos cinemas. Depois de ter sido devidamente apresentado nos principais festivais do país, o filme será distribuído pela Imovision, com estréia marcada para 22 de junho.

Esta película toma emprestado para seu título uma expressão bastante popular na capital pernambucana, uma corruptela para as mentes inquietas ou para aqueles que estão em estado lisérgico recreativo, lícito ou não.

A obra retrata o Recife a partir de uma estética monocromática, mas que não consegue esconder o turbilhão de cores poéticas impregnadas na história de Zizo, um poeta marginal e anarquista que distribui um fanzine que dá voz aos inconformados com a imposição dos interesses das classes dominantes. O poeta vê a realidade como um imenso preto-e-branco que será colorido com as cores de suas convicções acerca da liberdade das pessoas poderem ser o que quiserem. As cores estão na ideologia do personagem, que desafia o tédio preto-e-branco das convenções.

O mote do filme se dá a partir do conflito gerado entre os ideais perseguidos por Zizo, interpretado por Irandhir Santos, que encara as consequências da adoção de sua postura: ao defender a liberdade plena das vontades de cada um, o poeta se dá conta que divergências podem surgir entre o desejo unitário e o coletivo, ao encontrar a bela Eneida, interpretada por Nanda Costa.


Febre do Rato levou o prêmio de melhor filme do Festival de Cinema de Paulínia em 2011.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s