Coco do Amaro Branco

O Coco do Amaro Branco é um projeto musical que envolve vários mestres e discípulos de um coco tradicional que acontece na comunidade do Amaro Branco em Olinda, há mais de 100 anos. Conheça seus mestres brincantes e conheça as belissimas fotos de Emiliano Dantas “Coco do Amaro Branco | Retratos”

Mas o que é o Coco?

Dança tradicional do Nordeste e do Norte, cuja origem é discutida: há quem acredite que tenha vindo da África com os escravos, e há quem defenda ser ela o resultado do encontro entre as culturas negra e índia. Apesar de mais freqüente no litoral, o coco teria surgido no interior, provavelmente no Quilombo dos Palmares, a partir do ritmo em que os cocos eram quebrados para a retirada da amêndoa. A sua forma musical é cantada, com acompanhamento de um ganzá ou pandeiro e da batida dos pés. Também conhecido como samba, pagode ou zambê (quando é tocado no tambor de mesmo nome), o coco originalmente se dá em uma roda de dançadores e tocadores, que giram e batem palmas. A música começa com o tirador de coco (ou coqueiro), que puxa os versos, respondidos em seguida pelo coro. A forma é de estrofe-refrão, em compassos 2/4 ou 4/4.

Muitas são as variações do coco espalhadas pelo Nordeste: agalopado, bingolé, catolé, de roda (um dos mais primitivos), de praia, de zambê, de sertão, desafio, entre outros. Muitos deles caíram em desuso, por causa das influências culturais urbanas e da repressão das autoridades (há um grau de erotismo embutido nas danças), mas ainda são praticados nas festas juninas. Um dos cocos mais populares é o de embolada, que se caracteriza pelas curtas frases melódias repetidas várias vezes em cadência acelerada, com textos satíricos (quase sempre improvisados, em clima de desafio) onde o que importa é não perder a rima.

Um dos artistas mais célebres do coco foi o paraibano Jackson do Pandeiro, que começou acompanhando a mãe nos cocos tocando zabumba. Sua carreira fonográfica começou em 1953, em Recife, com o coco Sebastiana, o primeiro de muitos que viria a gravar, acabando por tornar o estilo (e tantos outros da música nordestina) conhecido no Sudeste. Mais tarde, nomes como Bezerra da Silva e Genival Lacerda também se valeriam do gênero. Celebrado por muitos dos artistas da MPB, como Gal Costa (que gravou Sebastiana), Gilberto Gil e Alceu Valença, o coco seria redescoberto nos anos 90 em Recife, pela via do mangue beat, através do trabalho de grupos como Chico Science & Nação Zumbi e Cascabulho. Eles chamaram a atenção para artistas recifenses contemporâneos, mais próximos da raiz musical, como Selma do Coco, Lia de Itamaracá e Zé Neguinho do Coco. Continuar lendo

Anúncios

Os Reis estão em festa, é só abrir a porta e receber a bandeira em sua morada.

O Celophane Cultural abre suas portas pra receber uma tradição vinda de Portugal, mas que logo tomou formas brasileiras. Uma Folia, daqueles que foram a Belém levar os presentes pro menino Jesus, Aqui em nossa tradição, eles vem festejando pelas ruas, com um mestre, uma banda, estranhos palhaços e uma bandeira carregada de simbologias e religiosidade.

 

Foto de Capitão da Folia - com sua farda: Gui Christ - site: Hoje é dia de Folia

De onde vem esta tradição:

Folia de Reis é um festejo de origem portuguesa ligado às comemorações do culto católico do Natal, trazido para o Brasil ainda nos primórdios da formação da identidade cultural brasileira, e que ainda hoje mantém-se vivo nas manifestações folclóricas de muitas regiões do país tanto no interior como nas grandes capitais.

Na tradição católica, a passagem bíblica em que o menino Jesus foi visitado por reis magos, converteu-se na tradicional visitação feita pelos três “Reis Magos”, denominados Melchior, Baltasar e Gaspar, os quais passaram a ser referenciados como santos a partir do século VIII.

Natal - RN - Monumento em homenagem aos Reis Magos na cidade de Natal. Foto: Patrick-br

Fixado o nascimento de Jesus Cristo a 25 de dezembro, adotou-se a data da visitação dos Reis Magos como sendo o dia 6 de Janeiro que, em alguns países de origem latina, especialmente aqueles cuja cultura tem origem espanhola, passou a ser a mais importante data comemorativa católica, mais importante, inclusive, que o próprio Natal. No estado do Rio de Janeiro, os grupos realizam folias até o dia 20 de Janeiro, dia de São Sebastião e padroeiro do Estado.

Bandeira de Folia de Reis com imagem de São sebastião no Rio de Janeiro -site da prefeitura de muqui

Na cultura tradicional brasileira a Folia ganhou força especialmente no século XIX e mantém-se viva em muitas regiões do país, sobretudo nas pequenas cidades dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Rio de Janeiro, dentre outros.

A Folia Brasileira

No Brasil a visitação das casas é feita por grupos organizados, muitos dos quais motivados por propósitos sociais e filantrópicos. Cada grupo, chamado em alguns lugares de Folia de Reis, em outros Terno de Reis, é composto por músicos tocando instrumentos, em sua maioria de confecção caseira e artesanal, como tambores, reco-reco, flauta e rabeca (espécie de violino rústico), além da tradicional viola caipira e do acordeão, também conhecida em certas regiões como sanfona, gaita ou pé-de-bode.

Folia de Reis em Piabetá - RJ menino membro da Folia beija a fita da Bandeira, ato simbólico de devoção - Foto Gui Christ - Site: Hoje é dia de Folia

Além dos músicos instrumentistas e cantores, o grupo muitas vezes se compõe também de dançarinos, palhaços e outras figuras devidamente fardadas segundo as lendas e tradições locais. Todos se organizam sob a liderança do Capitão da Folia e seguem com reverência os passos da bandeira, cumprindo rituais tradicionais de inquestionável beleza e riqueza cultural.

Musicos da Folia - Foto: Ratão Diniz

As canções são sempre sobre temas religiosos, com exceção daquelas tocadas nas tradicionais paradas para jantares, almoços ou repouso dos foliões, onde acontecem animadas festas com cantorias e danças típicas regionais, como catira, moda de viola e cateretê. Contudo ao contrário dos Reis da tradição, o propósito da folia não é o de levar presentes mas de recebê-los do dono da casa, em troca por graça alcançada. Os foliões são recebidos durante a madrugada com doações e fartas mesas com comes e bebes.

Folia Sagrada Família, bandeireira e o altar onde a bandeira fica guardada durante todo o ano. Foto: Gui Christ - site: Hoje é dia de folia.

A Bandeira

O costume de usar bandeiras ou estandartes em cortejos e procissões rituais no Brasil, também vem de Portugal, muito usado nas corporações de ofícios medievais, irmandades religiosas, e companhias militares.

Câmara Cascudo diz que a palavra bandeira vem de “bando, bandaria, grupo sob o mesmo simbolo”.

Na Folia de Reis, a bandeira é um objeto “Sagrado” guardado e cuidado na sede da Folia por uma Bandeireira, res´ponsável pelo sua manutenção. Geralmente ela fica sobre um altar todos os dias do ano e só sai para a Folia.

Sempre com a imagem de Santos, S. Sebastião, menino Jesus etc etc… são enfeitados e cobertos por fitas coloridas. A bandeira carrega o “fundamento” da Folia e é responsável pelas graças alcançadas.

Ao visitar uma casa, a Bandeira guia a folia e é a primeira a entrar sendo oferecida ao dono da casa  (devoto)  que permanece com ela todo o tempo da visita dos foliões. Um dos gestos mais conhecidos de fé ao poder da bandeira é beijar ou passar suas fitas pelo corpo, ou ainda amarrar dinheiro nelas.

O Palhaço e a dona da casa - Foto Gui Christ - Site: Hoje é dia de Folia

Os Palhaços

Um dos personagens mais curiosos das Folias e que sempre me chamaram a atenção, pela força plástica,  são os mascarados palhaços. Estes personagens prinicpais das folias, carregam a missão de vertir as máscaras e representar estes personagens, muitas vezes por cumprimento de uma promessa aos reis. Eles fazem parte do fundamento religioso entre a Bandeira e a máscara, o sagrado e o profano.

Palhaço diante do altar - foto Gui Christ - site: Hoje é dia de folia

Ao sair para a folia o ato da colocação da máscara representa todo um ritual que deve ser cumprido á risca diante da Bandeira, reforçando a missão que por vezes dura sete anos, sem poder ser quebrada.

O corpo de quem carrega a máscara também rompe barreiras físicas, pois as acrobacias cambalhotas e piruetas que fazem parte de uma  virtuosa apresentação, por vezes absurdas mostrando assim o grau de dedicação e devoção daquele que o carrega.

As máscaras e fardas sempre com um tom grotesco são consideradas contagiosas, pois só devem ser manipuladas e guardadas por aquele que as utiliza, carregam uma carga mágico-religiosa muito fortes.

Os palhaços das Folias representam também os guardas de Herodes. Quando Herodes ficou sabendo que ía nascer o novo Rei, que havia sido enviado, pela profecia, Herodes, ordenou seus guardas correrem o mundo atrás do salvador. Quando Jesus nasceu Herodes então mandou matar todas as crianças e essa matança representa isso, a própria máscara representa essa coisa demoníaca, o diabo, o assassino do menino Jesus. O mais interessante é que Jesus os converteu  no decorrer da história.

Palhaço fazendo acrobacias - Foto: Gui Christ - Site: Hoje é dia de folia

“Os bons palhaços não só das Folias precisam de força espiritual, malandragem, vivência e malícia. Caso contrário são engolidos.”                              Inimar dos Reis

Encontro nacional de Folia de Reis em Muqui – ES

O Encontro  é uma seqüência do Torneio de Folias iniciado em 1950 na cidade de Muqui, sul do Espírito Santo. O Encontro reúne grupos folclóricos do Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, e acontece há 60 anos. É o maior e o mais antigo encontro do gênero no Brasil.

Atualmente, o evento tem características de encontro, o que significa que não há disputa entre os grupos. Assim, promove-se a difusão da cultura popular, além do belíssimo espetáculo cênico oferecido aos turistas, durante as apresentações das Folias no Sítio histórico.

Foliões na praça central da cidade - Casarão histórico e Igreja matriz ao fundo - foto: Ériton Berçaco

O festejo acontece durante todo o dia. Pela manhã, os grupos folclóricos chegam e há o chamado congraçamento, uma espécie de cumprimento, saudação entre os foliões. À tarde, por volta das 16h as folias saem pela rua e cantam em diversas casas, incluindo casarões do sítio histórico. Depois há a bênção das folias na Igreja Matriz, um dos pontos altos do Encontro.

No evento, que tem data móvel, os grupos, vestidos com roupas coloridas, cantam e tocam instrumentos musicais. É uma grande festa folclórica e religiosa. Turistas de várias regiões visitam a cidade, atraídos pela riqueza cultural ou por pura fé cristã. Seja por um, por outro, ou por ambos motivos, o que importa é que vale a pena conhecer este Encontro cheio de cor, música e energia positiva.

Além da festa, a cidade reúne o maior número de imóveis tombados pelo patrimônio histórico estadual. Os 200 Casarões de Muqui compõem o maior sítio histórico do Espírito Santo. No encontro anual, as folias e a arquitetura local se harmonizam. É a tradição popular dando vida ao que restou do império dos barões do café na bela e acolhedora Muqui.

Infelizmente as chuvas de Dezembro causaram enchentes na bela cidade provocando pânico na cidade com algumas destruições e acidentes. Acompanhe pelo site:
http://www.muqui.es.gov.br/

Encontro de Folia de Reis em Muqui – ES

Vamos pedir aos Reis que olhem pelo nosso patrimônio castigado pela natureza.

Fontes:

Fotos: Gui Chsit

Site: www.guichrist.com

Blog dia de folia

Flickr: www.flickr.com/photos/gui_c

Fotos: Rodrigo Gavini – www.rodrigogavini.wordpress.com

Site Overmundo – http://overmundo.com.br

Wikipedia: wikipedia

“A Bandeira e a Máscara – A circulação de objetos rituais nas folias de reis” – Daniel Bitter

Blog Os Palhaços do nosso Povo: http://ospalhacosdonossopovo.blogspot.com/

www.imaterial.org

O Profeta da “Gentileza”

O Celophane Cultural conta a história de um profeta urbano, ele nos encantou antes de sua morte com seus ensinamentos suas andanças pelo centro do Rio dando flores e suas profecias eternizadas nas pilastras do cemitério do Caju até  Rodoviária do Rio de Janeiro. Sua palavra nos faz pensar até hoje o quanto o simples ato de dar Gentileza… pode gerar Gentileza  principalmente nos tempos de tanta violência no nosso dia a dia.  Esta é a história de José Datrino ou como ficou eternizado O Profeta Gentileza.

Detalhe da Grafia criada pelo profeta gentileza, cheia de significados. fonte Museu Virtual Gentileza

Desde Criança fui atraído pelos seus murais pintados em verde e amarelo, quando passava de ônibus pela Rodoviária. Conheci mais profundamente sua história quando fui convidado pela Designer Vanessa Bittencout, para montar a Exposição: “A Arte Mural do profeta Gentileza” na UFRJ com produção de Ana Cunha.

Fotos da Exposição

“Quem é esse cavaleiro andante, em plena cidade contemporânea, a conduzir seu estandarte cheio de apliques, metendo-se pelos lugares, a levar sua palavra? De início, chega-nos sua estranheza, seu “deslocamento”, antes, até de sua gentileza. Vê-lo com sua bata branca pela rua é ter contato com uma figura que nos parece extemporânea. Não de um futuro, mas de uma voz que ecoa, bizarramente, um sagrado que não se mostra mais.”

“Brasil Tempo de Gentileza” – Leonardo Guelman

Imagem em close do profeta com sua "táboa Estandarte" com inscrições proféticas - fonte "Rio com Gentileza"

A Gentileza desde sua Infância

Nascido em 11 de abril de 1917, em Cafelândia, interior de São Paulo, com mais nove irmãos, José Datrino teve uma infância de muito trabalho, onde lidava diretamente com a terra e com os animais. Para ajudar a família, puxava carroça vendendo lenha nas proximidades. Desde cedo aprendeu a amar, respeitar e agradecer à natureza pela sua infinita bondade. O campo ensinou a José Datrino a amansar burros para o transporte de carga. Tempos depois, como profeta Gentileza, se dizia “amansador dos burros homens da cidade que não tinham esclarecimento”. Desde sua infância José Datrino era possuidor de um comportamento atípico. Por volta dos doze anos de idade, passou a ter premonições sobre sua missão na terra, onde acreditava que um dia, depois de constituir família, filhos e bens, deixaria tudo em prol de sua missão. Este comportamento causou preocupação em seus pais, que chegaram a suspeitar que o filho sofria de algum tipo de loucura, chegando a buscar ajuda em curandeiros espíritas.

A Vinda para o  Rio de Janeiro.

Aos vinte anos foi para o estado do Rio de Janeiro, enquanto sua família mudava-se para Mirandópolis, também cidade do interior de São Paulo. No Rio de Janeiro, casou com Emi Câmara com quem teve cinco filhos. Começou sua vida de empresário com um pequeno empreendimento na área de transportes, onde fazia fretes para o sustento da família. Aos poucos, o negócio foi crescendo até se tornar uma transportadora de cargas sediada no centro da cidade.

Surge um Profeta das cinzas

No dia 17 de dezembro de 1961, na cidade de Niterói, quando tinha 44 anos, houve um grande incêndio no circo “Gran Circus Norte-Americano“, o que foi considerado uma das maiores tragédias circenses do mundo. Neste incêndio morreram mais de 500 pessoas, a maioria, crianças.

Capa do Jornal do Brasil anunciando a tragédia - fonte arquivo JB

Na antevéspera do natal, seis dias após o acontecimento, José acordou alucinado ouvindo “vozes astrais“, segundo suas próprias palavras, que o mandavam abandonar o mundo material e se dedicar apenas ao mundo espiritual. O Profeta pegou um de seus caminhões e foi para o local do incêndio. Plantou jardim e horta sobre as cinzas do circo em Niterói, local que um dia foi palco de tantas alegrias, mas também de muita tristeza. Aquela foi sua morada por quatro longos anos. Lá, José Datrino incutiu nas pessoas o real sentido das palavras “Agradecido” e “Gentileza”. Foi um consolador voluntário, que confortou os familiares das vítimas da tragédia com suas palavras de bondade. Daquele dia em diante, passou a se chamar “José Agradecido“, ou simplesmente “Profeta Gentileza”.

O nome de “Profeta Gentileza” foi ganho porque vivia pregando o amor, a paz e pedia  sempre “por gentileza”. Jamais dizia a palavra “Obrigado”, pois dizia que obrigado vinha de obrigação e preferia dizer “agradecido”.

Profeta exibindo sua táboa/estandarte com inscrições e todo enfeitado com Flores, ramos e cataventos. Foto acervo Claudio Rocha

Após deixar o local que foi denominado “Paraíso Gentileza”, o profeta Gentileza começou a sua jornada como personagem andarilho. A partir de 1970 percorreu toda a cidade. Era visto em ruas, praças, nas barcas da travessia entre as cidades do Rio de Janeiro e Niterói, em trens e ônibus, fazendo sua pregação e levando palavras de amor, bondade e respeito pelo próximo e pela natureza a todos que cruzassem seu caminho. Aos que o chamavam de louco, ele respondia: – “Sou maluco para te amar e louco para te salvar“.

Os murais que eternizaram suas profecias.

A partir de 1980, escolheu 56 pilastras do Viaduto do Caju que vai do Cemitério do Caju até a Rodoviária Novo Rio, numa extensão de aproximadamente 1,5km. Ele encheu as pilastras do viaduto com inscrições em verde-amarelo propondo sua crítica do mundo e sua alternativa ao mal-estar da civilização.

O Profeta sorridente sobre a escada pintando seus murais. Foto Acervo Claudio Rocha

Gentileza e seus murais promoveu uma das maiores intervenções urbanas de arte na cidade do Rio de Janeiro.

Durante a Eco-92, o Profeta Gentileza colocava-se estrategicamente no lugar por onde passavam os representantes dos povos e incitava-os a viverem a Gentileza e a aplicarem Gentileza em toda a Terra.

TRanscrição dos Escritos de Gentileza

O profeta sempre com seus passos largos e determinados - Acervo Claudio Rocha

O profeta vai pro céu, encontrar Deus

Em 29 de maio de 1996, aos 79 anos, faleceu na cidade de seus familiares, onde se encontra enterrado, no “Cemitério Saudades”.

Com o decorrer dos anos, os murais foram danificados por pichadores, sofreram vandalismo, e mais tarde cobertos com tinta de cor cinza. Com ajuda da prefeitura da cidade do Rio de Janeiro, foi organizado o projeto Rio com Gentileza, que teve como objetivo restaurar os murais das pilastras.

foto da restauração dos murais - fonte: Rio com Gentileza

Começaram a ser recuperadas em janeiro de 1999. Em maio de 2000, a restauração das inscrições foi concluída e o patrimônio urbano carioca foi preservado.

DEcreto da Prefeitura do Rio tornando os Murais patrimônio histórico da Humanidade.

 

O Universo do Gentileza vira livro

No final do ano 2000 foi publicado  o livro UNIVVVERRSSO GENTILEZA, do professor Leonardo Guelman. A obra introduz o leitor no “universo” do profeta Gentileza através de sua trajetória, da estilização de seus objetos, de sua caligrafia singular e de todos os 56 painéis criados por ele, além de trazer fatos relacionados ao projeto Rio com Gentileza e descrever as etapas do processo de restauração dos escritos. O livro é ricamente ilustrado com inúmeras fotografias, principalmente do profeta e de seus penduricalhos e painéis. Além de fotos do próprio profeta Gentileza trabalhando junto a algumas pilastras, existem imagens dos escritos antes, durante e após o processo de restauração.

Capa do Livro: UNIVVVERRSSO GENTILEZA Leonardo Guelman

Livro: UNIVVVERRSSO GENTILEZA – Leonardo Guelman
Ed. Mundo das Idéias

Fonte Museu virtual Gentileza

Fonte: Rio com Gentileza

Fonte: Blog Gentileza gera Gentileza

Video:

Gentileza – Documentário de Dado Amaral e Vinicius Reis

Diz assim a música Gentileza”, de Mariza Monte

que integra o CD Memórias, Crônicas e Declarações de Amor:

Foto do profeta com sua táboa estandarte - fonte: Rio com Gentileza

Apagaram tudo
Pintaram tudo de cinza
A palavra no muro
Ficou coberta de tinta

Nós que passamos apressados
Pelas ruas da cidade
Merecemos ler as letras
E as palavras de Gentileza
Por isso eu pergunto
A vocês no mundo
Se é mais inteligente
O livrou ou a sabedoria

O mundo é uma escola
A vida é o circo
Amor palavra que liberta
Já dizia o profeta.


 

 

 

 

 

Aprendemos sempre com estes sábios representantes populares que acreditam que a humanidade tem jeito e pode ser gentil pra receber “Gentileza” em troca. Que ele seja sempre lembrado nos momentos em que esquecemos de ser “humanos” e “gentis”.

Até o proximo Celophane Cultural

JeffCelophane | Jefferson Duarte

 

A Arte Popular sobre as águas do Velho Chico

Sim um Barco-Museu é a mais nova atração em Alagoas e Sergipe. Uma inicativa unica, idealizada e posta em prática pelos artistas: Dalton e Maria Amélia. O Museu sobre as águas vai flutuar, levando Arte Popular, sobre um dos mais celebres, curiosos e encantados rios brasileiros: O Velho Chico.

O barco-museu Santa Maria estará percorrendo as águas do rio São Francisco levando exposição de cultura popular, exibição de vídeos e oficinas de arte-educação para cerca de 10 mil moradores ribeirinhos de cidades e povoados de Alagoas e Sergipe.

Imagem do barco Museu sobre o rio

O projeto “O Museu no Balanço das Águas é uma realização da Galeria Karandash – Arte Contemporânea, com o patrocínio do Programa BNB de Cultura Edição 2010 parceria BNDES e apoio do Sebrae-AL, Sesc-AL e das prefeituras por onde a embarcação vai passar.

A viagem cultural do barco-museu Santa Maria começou na Ilha do Ferro (Pão de Açúcar), onde foi montada a exposição “Fernando Rodrigues – O Guardião de Memórias”, em homenagem ao artista e designer morto ano passado.

EScultura de Fernando Rodrigues O Guardão das Memórias em madeira

A embarcação também ganhou carranca (escultura) do artista Veio, o Marinheiro do escultor Resendio e os cataventos de mestre Zezinho.

Carranca criada por "Véio" especialmente para o museu.

Enfeitado e lotado de cultura, o Santa Maria inicia a jornada com paradas nos municípios alagoanos de Pão de Açúcar, Traipu e Belo Monte; atravessa o rio e vai para a margem sergipana, atracando em Porto da Folha, Ilha do Ouro e Niterói.

Em cada local, a comunidade é convocada para visitas guiadas ao barco-museu, assistir vídeos sobre os artistas da região e participar das oficinas de pintura, desenho, escultura e instalações com arte-educadores e professores das escolas públicas das cidades. A intenção é que 1500 crianças e adolescentes da rede pública de ensino participem das atividades.

“O barco-museu, além de possibilitar acesso às manifestações artísticas nas mais variadas linguagens, dentro da diversidade cultural, será um instrumento importante também na comunicação entre os povoados e entre os seus moradores, estreitando laços, revelando talentos e permitindo a troca de saberes, inclusive na proteção ambiental e na valorização patrimonial”, ressalta Maria Amélia, que assina o projeto com o também artista Dalton Costa.

IMagem aérea do barco com as enormes esciulturas anexadas á estrutura da embarcação.

Os "barqueiros" Dalton e Maria Amélia os criadores e responsáveis pelo projeto

Com a sede de conhecer e vivenciar a riqueza da arte popular do interior do Nordeste do Brasil, os artistas falam de uma experiência fantástica. “Numa dessas viagens, saboreando postas de piau com farofa, numa velha embarcação de passageiros do Baixo São Francisco, entre Pão de Açúcar e Ilha do Ferro, nosso olhar se perdeu em algo muito maior do que as nossas necessidades de artistas e colecionadores. Tivemos a grata experiência de olhar além do rio as comunidades ribeirinhas, afastadas dos grandes centros, algumas sem nenhuma comunicação, crianças brincando em suas margens, os cantos das lavadeiras com suas roupas coloridas, o batuque dos lençóis ensaboados nas pedras, os solitários pescadores em seus pequenos barcos, a paisagem mágica e desoladora, enfim, estávamos dentro de um Brasil que não conhecíamos com profundidade. Nossos corações inquietos buscavam muito mais do que os estímulos para nossa arte. Ali nascia a ideia de troca, de intercâmbio, de comunicação entre dois mundos. O mundo das grandes cidades e dos povoados de um Brasil esquecido. Nascia ali um barco-museu batizado pelo talentoso estudioso de literatura Roberto Sarmento de O MUSEU NO BALANÇO DAS ÁGUAS”. Nessa poesia, Dalton e Maria Amélia reverenciam o amor pela arte e pelo povo nordestino.

Fonte:  www.baratelli.com.br

Terminadas as viagens, explica Maria Amélia, o barco-museu não será desmontado. Pelo contrário. Sua nova vocação é permanente e ficará atracado no município de Pão de Açúcar, podendo ser palco de várias ações educativas e culturais.
“É um equipamento cultural à disposição das regiões afastadas dos grandes centros, que irá possibilitar o acesso e a inclusão dessas comunidades aos bens culturais de um modo geral”.

O São Francisco e suas Carrancas

Já não se encontram mais nas proas das embarcações são – franciscanas as célebres carrancas – uma das mais genuínas e enigmáticas manifestações da arte popular brasileira -, cuja forma predominantemente zooantropomorfa se mostra de uma originalidade sem similar na história das navegações.

Mesclando detalhes humanos com os de animais, destes, sobretudo a generosa cabeleira à semelhança de uma juba de leão, elas apresentam em geral uma expressão de ferocidade. São feitas de um único tronco de madeira e retratam apenas a cabeça e o pescoço de alguma figura mitológica indeterminada.

As primeiras referências às carrancas datam de 1888 em livros de Antônio Alves Câmara e Durval Vieira de Aguiar. As carrancas eram construídas a princípio com um objetivo comercial, pois a população ribeirinha dependia do transporte de mercadorias pelo rio, e os barqueiros utilizavam as carrancas para chamar a atenção para sua embarcação. Em certo momento, a população ribeirinha passou a atribuir características místicas de afugentar maus espíritos às carrancas. Esta atribuição colocava em segundo plano o aspecto artístico da produção das carrancas, ou seja, como forma de manifestação cultural popular de uma região brasileira.

Especial Velho Chico no site Jangada Brasil:

Universalidade

É difícil determinarmos a sua real origem, devido à sua universalização. Os selvagens adaptavam uma espécie de maraca na extremidade de seus barcos que serviam para conduzir os guerreiros ao combate. No Egito antigo, tais figuras eram por demais populares no rio Nilo; e nas regiões do Congo e da Guiné tornaram-se inconfundíveis pelo aspecto ornamental.

A primeira figura de proa de que se tem conhecimento teria sido uma criação dos Argonautas e representa a efígie de Argos. Aproveitaram, inicialmente, como idéias, criaturas humanas ou entidades fantásticas.

Os gregos exibiam sua mais famosa figura mitológica – Vênus, enquanto cartagineses e latinos esculpiam aves; mais tarde, ingleses e espanhóis difundiram largamente essas figuras, dando-lhes, os últimos, um cunho religioso.

Proteção

É provável que as carrancas das barcas do rio São Francisco tenham advindo do Mediterrâneo, sob a influência de portugueses e espanhóis. Possuem igual caráter religioso, porém ora de fundo fetichista, ora de fundo católico. Sua função é proteger a embarcação e os seus tripulantes dos inimigos que podem estar ocultos nas águas do rio.

As carrancas são entalhadas em madeira, recebendo depois um colorido quase grotesco. O leão e o cavalo são os animais preferidos para a representação, uma vez que os elementos marinhos são desconhecidos nos rios.

O fato mais importante, no entanto, a se assinalar é que elas se encontram correlacionadas ao ciclo pastoril em nosso país com marcante tipo de escultura.

(Saldanha, Maria Emília F. “Leões e cavalos garantem proteção aos barqueiros do São Francisco”. O Globo, Rio de Janeiro, 18 de julho de 1968)

Viagem conosco nesta aventura cultural sobre este Velho rio cheio de costumes e mistérios. Conheça o melhor da arte ribeirinha. Fonte: acessoria de Imprensa  do “Balanço nas águas”:

Galeria Karandash

Av. Moreira e Silva, n° 89 – Farol – Maceió / AL – Fone: +55 82 3221.0883

Email: karandash@karandash.com.br

Luiza Dionízio é indicada ao Prêmio da Musica Brasileira

Hoje o assunto do Celophane Cultural é Musica, mais precisamente um dos mais respeitados prêmios da Musica, o 21º Prêmio da Musica Brasilereira – apoio Vale do Rio Doce, que tem a sua disputada final em 11 de agosto, em cerimônia no Theatro Municipal do Rio de Janeiro (RJ) que também vai prestar homenagem a Dona Ivone Lara Rainha do samba.

Veja e saiba mais no site do Prêmio: Site do Prêmio de Musica Brasileira

Histórico

Dentre as diversas premiações da música popular brasileira, o Prêmio da Música Brasileira, idealizado em 1987 por José Maurício Machline, é o de maior longevidade.

A cada ano, o Prêmio celebra um artista brasileiro, cujo repertório é a base do show da cerimônia de entrega. A primeira edição foi dedicada a Vinicius de Moraes. Desde então, foram homenageados artistas como De lá para cá, foram homenageados, pela ordem, Dorival Caymmi, Maysa, Elizeth Cardoso, Luiz Gonzaga, Ângela Maria & Cauby Peixoto, Gilberto Gil, Elis Regina, Milton Nascimento, Rita Lee, Jackson do Pandeiro, Maria Bethânia, Gal Costa, Ary Barroso, Lulu Santos, Baden Powell, Jair Rodrigues, Zé Ketti, Dominguinhos e Clara Nunes.

Por não estar atrelado a nenhum aspecto mercadológico, o Prêmio da Música Brasileira se utiliza unicamente de critérios artísticos na base de sua avaliação. Um júri formado por músicos, jornalistas e críticos analisa a produção fonográfica brasileira do ano anterior – seja ela gerada via gravadoras ou de forma independente – e elege os melhores de cada categoria, sob a supervisão de uma auditoria externa.

A Homenageada deste ano:

Dona Ivone Lara


Dona Ivone Lara (Yvonne Lara da Costa, 13/4/1921 Rio de Janeiro, RJ) é, indiscutivelmente, a primeira-dama do samba. Mais legítima representante do matriarcado no samba, seu primeiro contato com a música, contudo, passou longe do ritmo que a consagrou. Foi aluna de Lucila Guimarães, primeira esposa de Villa-Lobos, tendo cantado sob a regência do maestro. Logo depois, aprendeu a tocar cavaquinho e se casou com Oscar Costa, filho de Alfredo Costa, presidente da escola de samba Prazer da Serrinha, futura Império Serrano. E justamente na sua escola de coração, veio a consagração com “Os cinco bailes da história do Rio”, de 1965, quando se tornou a primeira mulher a fazer parte da ala de compositores de uma agremiação.

Mesmo com a carreira artística consagrada, Dona Ivone nunca abandonou a enfermagem – com especialização em terapia ocupacional – e seguiu na profissão até sua aposentadoria, em 1977. Na seqüência gravou seu primeiro disco, Samba, Minha Verdade, Minha Raiz só aconteceu em 1979, impulsionada pela explosão de “Sonho meu”, em dueto histórico de Maria Bethânia e Gal Costa.

Compositora contumaz, ela é responsável por inúmeros sucessos do cancioneiro popular, como “Alvorecer”, “Alguém me avisou”, “Sorriso Negro” – clássico de qualquer roda de samba no Brasil e no mundo –, entre outros. Gal Costa, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Marisa Monte, Clara Nunes, Beth Carvalho, Alcione e Paulinho da Viola foram alguns dos grandes nomes da MPB que gravaram canções de Dona Ivone Lara.

Fonte:

Blog do Prêmio

A grande surpresa pra os fãs e amigos, foi a indicação de uma amiga de lonnnnnga data (melhor nem falar quanto tempo tem) que lançou o seu primeiro CD a pouquissimo tempo e jé foi indicada como Cantora de Samba.

Estou falando de uma “Deusa” do Samba, filha de Oxum, que iniciou sua carreira no berço do Samba, aboêmia  Lapa – RJ, nas rodas de samba da Velha Guarda do Império Serrano, escola de devoção, e seu primeiro disco fala desta maneira de se doar, de respeitar a arte, o Samba, a religião, a sua terra, e principalmente a sua voz. “Devoção” é o primeiro disco de Luiza Dionísio.

Luiza e seu primeiro disco foram indicados, ao lado de verdadeiras feras do Samba e da MPB. Por isso estou aqui sugerindo que voce conheça o seu trabalho, ouça algumas de suas músicas e entenda o que os organizadores do prêmio viram na voz e na sublime interpretação desta amiga e respeitada cantora.

Seu Site: Com toda a sua rede social: Site de Luiza Dionizio

Vote nela como melhor cantora no voto popular…

bem eu sei quem está ao lado dela… mas não não ofende pedir: Voto Popular

Fotos que fiz do lançamento de seu show no Teatro Rival:

Fotos do Show